A Realidade de Ambientes TI em Micro / Pequenas Empresas (MPE)

Dos mais de 19 milhões de empresas no Brasil (dados de 2019), 90% é formado por Micro e Pequenas Empresas (EPP, ME, MEI ou EIRELI), no qual as MPEs respondem por 53,4% do Produto Interno Bruto (PIB) do comércio e, na indústria e no setor de serviços, a participação delas também é relevante – 22,5% e 36,3%, respectivamente.

  1. Estas empresas realmente utilizam Tecnologia da Informação?
  2. A TI nestas empresas são estruturadas (quando existe)?
  3. A TI está alinhada com o negócio da empresa? 
  4. A TI trabalha de forma proativa? Existe planejamento e investimento em melhorias?
  5. Os gestores conhecem seus riscos?

Enfim, centenas de perguntas podem ser feitas para analisar o nível de maturidade nas empresas em relação à TI.

INFRAESTRUTURA TECNOLOGIA PEQUENAS EMPRESAS

A questão é que a maioria das MPE, e até algumas de médio porte, utilizam a TI somente como um ponto de suporte para as operações, ou seja, a TI é tratada como uma área secundária e não estratégica para a empresa. Normalmente estas empresas não possuem firewall de perímetro, antivírus corporativo, sistema de backup, controle de navegação, política de segurança da informação, documentação do ambiente, relatório de riscos, planejamento de investimento, servidores corporativos, entre outras situações que são primordiais nos dias atuais. Digo primordiais pelo simples fato de que 99% dos processos e operações de uma organização são executados através do meio digital ou gerados e suportados através de alguma tecnologia.

Mesmo em ambientes simples com poucos usuários e computadores, faz-se necessário ter uma estrutura de TI, já que os riscos de infeção de vírus, ataques, vazamento de informação, paralisação dos sistemas, indisponibilidades, perda de informações, etc, irão impactar 100% no negócio da empresa, gerando prejuízos (financeiros, imagem, reputação), cancelamento de contratos, usuários parados, clientes descontentes e outros.
É comum observar os gestores e diretores alegarem que não possuem recursos para investir em TI, no entanto, em qualquer incidente (restaurar uma informação ou banco de dados, paralisação da rede através de pragas virtuais, indisponibilidade para gerar e transmitir a NF-e, etc) que impacta o negócio e causa prejuízos, uma das primeiras ações do(s) gestor(es) é adquirir algum produto ou serviço para corrigir o problema e minimizar a recorrência do mesmo.

A situação apresentada no parágrafo anterior retrata o cenário que chamamos de TI Reativa ou “Apaga Incêndio“, no qual a equipe trabalha para resolver incidentes e manter o ambiente mais operacional e disponível possível. O ponto chave é que sempre que ocorrer um incidente que impacte a operação e negócio da empresa, mais caro ficará para recuperar e normalizar a operação se comparado a um investimento proativo, que reduziria ou eliminaria as chances do incidente surgir.

Para os profissionais de TI, ou gestores que se enquadrarem nesta realidade que retratei aqui, que não sabem como melhorar o ambiente de TI, seguem alguns conselhos:

SOLUÇÕES OPEN SOURCE

É possível instalar e configurar um firewall de perímetro sem custo de software e licenciamento, sendo somente necessário um hardware. Um exemplo é o PFSense, que é um firewall muito interessante e com recursos de controle de navegação, configuração de regras de filtragem, VPN, entre outros que, se configurados corretamente, irão aumentar a segurança da informação e controle dos dados trafegados entre a empresa e o ambiente externo.

ANTIVÍRUS

Não recomendo em ambiente corporativo o uso de soluções grátis quando o assunto é antivírus, visto que a eficiência, detecção, combate a pragas virtuais, recursos e funcionalidades do produto não se comparam aos antivírus corporativos. Com um investimento de menos de R$ 15 reais por estação ao mês já é possível instalar um antivírus de mercado que irá combater os vírus, malwares, trojans e downloads com eficiência, gerando maior segurança ao ambiente e diminuindo as chances de paralisações e impacto por pragas virtuais.

PARCEIROS

Buscar parceiros especializados em soluções de TI, seja em banco de dados, firewall, antivírus, segurança da informação, backup, gestão de riscos, ERP, processos, entre outros. Esta é uma questão importante, visto que estes parceiros possuem experiência de mercado e benchmarking para apoiar nos projetos e demandas realizando um trabalho que seja aderente e compatível com o valor de investimento disponibilizado pelas organizações.

SOFTWARE DE SERVICE DESK:

É recomendado que empresas possuam um software para registar, classificar, acompanhar e fechar os incidentes, solicitações e mudanças que ocorrem diariamente. Se a TI não possui um software deste, provavelmente não existe um padrão e critérios para atendimento dos chamados, prioridade, evidências, registro das operações, comunicação com o usuário, entre outros fatores essenciais para um bom gerenciamento de serviços de TI. Mais uma vez, existem softwares open source que podem realizar este papel, tal como o SpiceWorks.

PLANEJAMENTO

Criar um planejamento das atividades que devem ser realizadas na semana ou no mês, tais como, atualizações do Sistema Operacional nas estações e servidores, configuração da impressora na rede, instalação de um novo aplicativo, analise e correção do backup, checagem da garantia dos servidores e estações, orçamento de novas aquisições, entre outras, irá facilitar a gestão e direcionamento para realizar as atividades e evitar o esquecimento ou prioridade em atividades mais novas.

INVESTIMENTOS

Quando o assunto é TI é inevitável não tratar de investimentos, já que computadores ficam ultrapassados, sistemas ficam obsoletos (tal como no caso do Windows XP e Office 2003 que não receberão mais suporte e atualizações a partir de Abril de 2014), novas demandas surgem das áreas de negócio, manutenção do ambiente de TI, renovação de garantia e contratos, enfim, o investimento em TI faz parte de qualquer empresa. Diante deste fato é importante montar um planejamento estratégico com os investimentos necessários (renovação garantia, contratos, suporte, software, etc…), investimentos de melhorias (aquisição antivírus, aquisição servidores, serviços de TI, novas licenças do ERP, novo link de Internet, entre outros) e, em cima de cada ponto destacado no plano de investimento, apontar os riscos inerentes, impacto para o negócio, melhorias que proporcionarão e benefícios dos novos recursos, sendo estes traduzidos em linguagem de negócios para apresentação a alta direção. Somente assim a alta direção irá entender o por quê de tal investimento e quais benefícios serão gerados para a organização.
Para finalizar o artigo, o intuito foi apresentar algumas formas que o profissional de TI ou gestores podem estar utilizando para melhorar o ambiente de TI e, consequentemente, a operação, disponibilidade e segurança nas organizações. Uma última dica é realizar reuniões regulares com gestores, pessoas chaves e diretores para ouvir deles como anda a TI, o que eles esperam, qual ponto está gerando descontentamento, o que pode ser melhorado, quais as expectativas deles em relação a TI, verificar se existe algum projeto ou plano estratégico no qual irá precisar de recursos de TI, dentre outros. Desta forma, além de mostrar proatividade, é possível estar integrado com o que ocorre na empresa conseguindo alinhar um pouco mais a TI ao Negócio.

Pesquisa

Newsletter

Receba dicas de segurança e as últimas novidades em tecnologia diretamente na sua caixa de entrada: inscreva-se na newsletter do Help Digital hoje mesmo!

Outras postagens

Explore nosso blog repleto de conhecimento e descubra artigos envolventes sobre segurança cibernética, tendências tecnológicas e muito mais para aprimorar sua jornada digital!
helpdigitalti

Brasil é alvo de novo trojan bancário

A HelpDigital Tecnologia traz um alerta importante para os usuários brasileiros: um novo trojan bancário, denominado CHAVECLOAK, está direcionando seus ataques para roubar informações financeiras no Brasil.

Leia mais »