Suporte em Informática – Gestão de Redes: INVENTÁRIO

Todo bom suporte em TI deve ser iniciado por um bom inventário! Saber o que vai ser gerenciado é fundamental para otimizar o tempo do atendimento e manter sua empresa em produtividade.

Imagine que seu departamento comercial acaba de ficar sem acesso a internet e é necessário verificar qual equipamento ativo é responsável por atender aquele determinado setor, ou ainda uma simples senha de roteador é necessária para que a verificação pela equipe de TI seja realizada. Esses exemplos, como vários outros, são rotineiros e podem ocorrer com qualquer organização, desde empresas pequenas até grandes corporações.

Imagem via Shutterstock

 

Imagem via Shutterstock

Partindo desta premissa, o colaborador ou empresa escolhida para gerenciar a TI de sua empresa, deve ter por base iniciar e manter um bom inventário de sua rede. Computadores, servidores, switch, roteadores, impressoras, e demais devem estar bem catalogados e definidos como equipamentos a serem gerenciados.

A utilização de um bom software, na maioria das vezes, se torna necessária para automatizar a coleta e manutenção de tais informações.

Informações de configurações de ativo, softwares e serviços, devem andar alinhadas em seu inventário. Para ativos, é aconselhado ter informações catalogadas suficientes para identificar o tipo de hardware, sua importância na rede bem como sua colocação em um diagrama. A partir deste ponto, informações adicionais são utilizadas para facilitar a gestão de mudanças e suporte sempre que necessário.

Seguem algumas informações relevantes para se obter de um ativo:

  • Tipo: Servidor, Desktop, Notebook, Telefone, Impressora, Roteador, etc;
  • Situação: Em Gerenciamento, Fora de Uso, Em Manutenção;
  • Fabricante, Modelo e Service TAG;
  • Datas de Instalação, Garantia, ultima inspeção;
  • Host – Nome do computador ou equipamento na rede;
  • Informações de Rede, como IP, MAC Address, Mascara, Gateway, DNS, Velocidade de comunicação da interface, DHCP Ativado;
  • Logins de Segurança – Usuários e senhas administrativas para acesso ao equipamento em questão;
  • Fotografias relevantes do equipamento, ajudando a identificar visualmente suas características físicas e auxiliando assim em diagnósticos remotos, por exemplo.

Caso o ativo em questão seja um computador, deve-se ainda adicionar outras informações, tais como:

  • Versão de Sistema Operacional, Serial Key, Linguagem, Service Pack instalado e arquitetura (x32 ou x64);
  • Data do ultimo boot do equipamento;
  • Modelos de placa mãe, vídeo, rede, som, etc;
  • Quantidade de memória instalada e disponível para uso;
  • Modelo do Processador;
  • Discos instalados, Sistema de Arquivos, Capacidade total e disponível;
  • Dispositivos de Segurança – Distribuição e versão de Antivirus, AntiSpyware, Firewall. Se estão ativados e atualizados;
  • Impressoras instaladas;
  • Softwares instalados e histórico de removidos, bem como os inicializados junto com o sistema operacional;
  • Mapeamentos e Compartilhamentos;
  • Log de eventos – Erros e Alertas podem indicar possíveis problemas a serem resolvidos;

Igualmente importante, informações sobre serviços que a rede disponibiliza devem ser devidamente documentados. Informações como contatos de prestadores de serviços relacionados a TI, fabricantes de softwares ERP, provedores de banda larga, e-mail, sites, portais, antivírus, assinaturas, entre outros devem ser devidamente catalogadas e disponibilizadas para consulta rápida.

 

Fonte: www.profissionaisti.com.br